PolêmicaMulher é retirada do Ônibus em Berlim após caso de racismo.

AD Junior5 meses ago2623 min

Lena Rohrbach é funcionária da Anistia Internacional, e publicou o incidente no Twitter na sexta-feira. Ela escreveu o que observou ao utilizar o ônibus da linha M41 na capital alemã:

Um homem negro entrou no ônibus e procurou um lugar para sentar. Foi então que uma senhora o impediu de sentar-se ao lado dela.

“Ele não senta aqui”, disse a mulher, conforme relatou Lena ao “Huffington Post”.

Quando o homem perguntou o porquê, a mulher tornou-se mais agressiva: “Quando eu olho para pessoas como você, eu tenho arrepios”. O homem pareceu aborrecido, mas não questionou.

Finalmente, o motorista do ônibus tomou consciência da situação e interveio, e de acordo com Lena , ele havia dito à mulher que deveria deixar o homem sentar ao lado dele – ou sair. A mulher então teve que sair do ônibus que seguiu o seu trajeto com o homem negro sentado.

Empresa já soube do caso

A empresa BVG, que uma das maiores empresas de transporte público da Alemanha, já sabe do caso. “Se tudo confirmar a história do motorista, ele sempre pode contar com o apoio e apoio total da BVG”, disse o porta-voz da BVG Markus Falkner para a jornal alemão BILD. “Essa coragem moral é exemplar”, disse a presidente da empresa, Sigrid Nikutta.

Em nota a empresa deixou: “Como empresa, estamos comprometidos com a carta da diversidade que assinamos há muitos anos. Independentemente de onde você vier, de sua aparência, quem ou como você ama, em quem ou no que você acredita (ou não acredita), tanto para os nossos passageiros quanto para os nossos colegas (que, aliás, são de cerca de 50 nacionalidade diferentes) – você é bem-vindo aqui. ” 

Informações: Bild, Huff Post.

AD Junior

Empresário, Jornalista Digital, Palestrante e YouTuber.

2 comments

  • Rita

    23 de dezembro de 2017 at 08:57

    Corretíssimo

    Reply

  • Valdeck Almeida de Jesus

    24 de dezembro de 2017 at 20:51

    Mais respeito. O mundo precisa de muitos exemplos como esse. Infelizmente esse crime (racismo) continua existir. Muito triste. Felizmente tem pessoas atentas e combatendo, senão seria pior.

    Reply

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

No ar desde 2013, o portal começou como um pequeno blog, trás aos seus leitores conteúdos sobre o empoderamento, saúde, educação e ativismo. O primeiro portal LGBT negro do Brasil.  O objetivo é de construir uma ponte para que possamos criar um diálogo sobre a comunidade universo LGBT negro no brasil e no mundo sem estereotipar e cobrir todos prismas possíveis da luta LGBT.

Navegue por assunto

ADS

ListaGay, 2013 - 2019 © Todos os direitos reservados